free-4 TOUR GRÁTIS por capitais européias
Parece anúncio picareta com uma super pegadinha, mas é verdade. Você vai fazer caminhadas turísticas com guias locais sem pagar nada, desde que você queira. Vou te explicar como funciona este pagamento opcional. Um grupo de jovens que moram em determinada cidade se reúne e convida turistas que estão na cidade para se encontrarem em um determinado ponto. No local combinado, dividem a turma entre os que querem o tour em Inglês e os que querem o tour em Espanhol. Cada uma destas turmas sai explorando a cidade a pé e tendo cada detalhe explicado pelo guia. Quando tudo termina, os guias agradecem a presença e participação de todos e dizem que aceitam doações. Se você gostou, paga o quanto acha que valeu. Se não gostou, não paga nada.

A sacada é muito boa. Estes passeios são infinitamente mais interessantes e cuidadosos do que aqueles malditos ônibus double deck, onde escutamos gravações enquanto ele passa correndo pelos lugares. Neste tipo de walking tour a história é passada mais devagar, você se imerge no passado da cidade, pisa em um lugar e sabe os personagens famosos que passaram por ali. Isso tudo cria uma magia especial, sua impressão muda drasticamente. Fiz este tour cinco vezes.

PARIS 

free-1

Já conhecendo o perfil dos tours, resolvi fazer dois, um de dia e outro a noite. Era minha segunda vez na cidade. A primeira visita foi a viagem mais turistão que já fiz até hoje, conheci o básico do básico (Torre Eiffel, Arco do Triunfo, Champs Elisées, etc.). Já o walking tour abriu um mega super power leque de coisas que não conhecia. Rodamos bairros boêmios, escutamos histórias dos tempos da cidade invadida pelos nazistas, da paixão do general alemão que não quis explodir a cidade, o restaurante onde Picasso trocava quadros por comida e o ateliê onde ele trabalhava, feiras de artistas escondidas perto da Sacre Couer, onde Jacques Demolay foi enforcado e mais uma série de coisas. E o mais engraçado é que a ponte que eu vi um dia antes deixou de ser apenas uma ponte pra se tornar cenário de uma história importante da humanidade.

O segundo tour que fiz, este a noite, rondava o distrito de Monmartre. Este tour é pago, mas custa €10 (praticamente a mesma gorjeta que você dá pro guia do free tour). O ponto de encontro é a estação de metrô em frente ao Moulin Rouge. Já começa divertido, né? Essa volta que damos pelo bairro é beeeeem divertida. É o bairro dos artistas e das gravações de filmes. O ponto alto aqui é a visita a sets de gravação do filme Amelie. Visitamos o Deux Moulin, bar onde Amelie trabalhava, as escadarias e o parque de diversões e o verdureiro do filme. É bem engraçado tomar um café servido no lugar onde foi rodado um dos seus filmes preferidos. Além desta história, tem muitas outras bairro afora. Vale cada centavo investido.

BERLIM

free-2

A ida a capital alemã foi uma viagem sem grandes pretensões. A idéia era conhecer a Alemanha ‘pra saber de qual que é’. Fui sabendo que queria visitar um campo nazista, ver o muro e só. Foi lá o meu primeiro contato com os walking tours. Confesso que achei estranho entrar em um tour grátis. Mesmo desconfiado, resolvi ir. Foi aí que a surpresa aconteceu. Definitivamente, Berlim é a cidade com a história mais envolvente da Europa. A história é aquela que a gente estuda nos livros, bem recente. As marcas de bala estão por todos os lados, outro dia tiraram um muro dali e ainda dá pra sentir a diferença entre os lados ocidental e oriental da cidade. Hitler morreu ali. O congresso incendiado está lá, a igreja continua arrebentada pela guerra assim como o salão de danças está todo baleado. Andando sozinho e vendo é incrível, mas com alguém te contando casos, é melhor ainda. A cidade definitivamente não é a mesma sem esse tipo de tour. Deixou de ser a terra dos nazistas pra se tornar um livro aberto. Depois do walking tour free, acabei indo para um campo nazista com a turma no dia seguinte. O preço era parecido com o que paguei em Paris, com a diferença que ali teríamos que pagar o ticket de trem para ir até a outra cidade.

AMSTERDÃ

free-3

Este tour fiz já conhecendo muito bem como é o sistema, mas acabei me decepcionando. Nem sempre a gente dá sorte, né? E na Holanda eu me ferrei. A turma do tour em Inglês estava grande e me jogaram na turma do “lo que digo”. Lá fui eu com uma guia espanhola chata. Ela era mesmo irritante, mas mesmo assim conseguiu passar uma boa impressão da cidade, contou casos, conhecemos os becos de Anne Frank, escutamos histórias e aprendemos sobre as áreas de divisão das prostitudas no Red Light District. Ou seja, mesmo o guia sendo chato ainda assim vale. É só aplicar um castiguinho nele: pague menos!

QUANTO DAR DE GORJETA?

Você dá o que você achar justo. É bom lembrar que ninguém vive de boa vontade. O sujeito está ali esperando fazer algum dinheiro pra pagar suas contas. Eu sempre vou na média e dou €10. Eles agradecem e acham excelente. Mas se a guia for chata como a espanhola de Amsterdã, dá ali €3 ou €5 que você mata ela de raiva.

PARTICIPO MESMO NÃO FALANDO INGLÊS OU ESPANHOL?

Sim, vá com o pessoal que fala Espanhol. Você vai acabar entendendo boa parte e os guias ao saberem que você fala Português vão falar bem devagar e ir checando se você está entendendo tudo.

COMO PARTICIPAR?

Existem muitas empresas que fazem este tipo de tour em uma dezena de cidades. Eu vou indicar uma turma que eu conheço e não foi picareta hora nenhuma. É o pessoal do SANDEMANs. Eles tem os passeios grátis em Amsterdã, Berlim, Bruxelas, Dublin, Edinburgo, Hamburgo, Londres, Jerusalem (!),  Madri, Munique, Paris, Praga e Tel Aviv.

Aguarde meus posts sobre um tipo de tour muito interessante: os Pub Crawls, uma maratona pelos pubs e baladas das cidades européias. É muito divertido!
See u on twitter @HenriqueDamiao.

Deixe aqui seu comentário